Miriam Altman, Psicanalista

idoso

A percepção da vida psíquica pode, para muitas pessoas, ser o início da busca por uma psicanálise. Às vezes é desconfortável depararmo-nos com sentimentos e emoções que não "estavam no programa" ou que nos trazem angústias. A vida mental é experimentada como algo abstrato, não tem consistência, cor, tamanho. Não temos acesso a ela por meios conhecidos, como os sensoriais.A análise é uma conversa diferente aonde estes aspectos da vida mental podem ser investigados tornando-nos mais aptos a um conhecimento e contato com as próprias emoções.

Desde que o homem é homem, existe vida psíquica, emoções, paixões, ódio e amor. Percebemos esses fenômenos observando a realidade psíquica e os fatos da vida cotidiana. Estão também expressos na literatura, nas tragédias gregas e nos mitos.

Depois surgiu Freud que com sua genialidade conseguiu organizar um método próprio de trabalho e a construção de um corpo de conceitos teóricos, ao qual damos o nome de psicanálise.

Hoje em dia, valemo-nos de tudo isso para a compreensão dos complexos e intrincados fenômenos que se passam no íntimo de cada pessoa. A curiosidade pelo auto-conhecimento pode levar a pessoa a procurar alguém com quem conversar sobre assuntos que não consegue conversar com outras pessoas, buscando, desta forma, seu próprio desenvolvimento pessoal e emocional.